Durante reunião com o vereador Paulo Magalhães, coordenador do SAMU anuncia a aquisição de 21 novas ambulâncias para o SATS

O vereador Paulo Magalhães (PSD) realizou na tarde do dia 29 de abril (segunda-feira) uma reunião com o coordenador-geral do SAMU Metropolitano, André Luiz Braga, e os motoristas das ambulâncias do Serviço de Atendimento ao Transporte Sanitário – SATS (conhecida como ambulâncias brancas) que fazem o transporte interhospitalar de pacientes, ou seja, entre postos de saúde, CAIS, entre outros. A reunião aconteceu na Sala das Comissões, na Câmara Municipal de Goiânia.

O objetivo da reunião foi melhorar a condição de trabalho dos motoristas, que haviam se queixado com o vereador, e buscar soluções para o serviço prestado à população goianiense. “Temos a preocupação em garantir qualidade dos serviços prestados a nossa comunidade, sobretudo na área da saúde. Goiânia já teve uma frota com 45 veículos e hoje temos apenas oito para atender toda a cidade, sendo quatro próprios e quatro alugados”, declarou Paulo Magalhães.

Durante a reunião, o coordenador-geral do SAMU anunciou, de maneira inédita, que a Secretaria Municipal de Saúde já realizou o processo de licitação para aquisição de 21 novas ambulâncias, do modelo Fiat Strada. “Nesse momento, estamos realizando os contratos, após vamos notificar o TCM e pegar certificado com a Controladoria. Em até 50 dias, essas novas ambulâncias estarão na rua atendendo a população”, informou.

Segundo André Luiz, o número de 21 novos veículos foi pensado estrategicamente. “Hoje Goiânia possui sete distritos de saúde, por isso, vamos destinar três ambulâncias para cada distrito, assegurando qualidade e agilidade no atendimento.”, pontuou.

De acordo com os motoristas, outros problemas prejudicam a qualidade do trabalho. O fato de transportar pacientes sem acompanhantes e pacientes graves, que deveriam utilizar o serviço do SAMU. E, também, o transporte de sangue. Nesse sentido, André Luiz, esclareceu que, após a chegada dos novos veículos, quatro das melhores ambulâncias utilizadas atualmente, duas serão destinadas para trabalho administrativo e duas para o transporte de sangue.

Motolâncias

O coordenador-geral do SAMU Metropolitano, André Luiz Braga, informou também, durante a reunião, a situação das motolâncias do município. Segundo ele, desde 2016 o Governo Federal suspendeu o recurso financeiro destinado a Goiânia para a manutenção das ambulâncias e motolâncias do SAMU. “Conseguimos durante esses anos realizar, com recurso próprio, a manutenção dos carros. Mas quando a atual gestão assumiu as motolâncias já estavam paradas e sem manutenção a um ano e meio”, afirmou.

O município de Goiânia possui um documento assinado pelo Prefeito Iris Rezende que não pode gastar mais que 40% da tabela FIPE anual com a manutenção de cada frota. Nessa perspectiva, o coordenador-geral do SAMU retirou recentemente os motolâncias do almoxarifado e solicitou o orçamento da manutenção. “Pedimos ainda uma nova visita do Ministério da Saúde para que possamos voltar a receber a verba para a manutenção da frota de carros e motos, e assim, requalificar esse serviço”, concluiu.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor informe seu nome aqui